terça-feira, 8 de setembro de 2015

Um eco e reflexos diferentes

Perante um facto que acharão banal o mesmo levou-me a reflectir sobre vários aspectos, talvez porque se verificou aqui mesmo em frente do prédio onde resido.
Uma  ruptura numa conduta de água originou que logo de madrugada um piquete e todo um conjunto de colaboradores dos SMAS de Sintra se deslocasse para proceder ao escoamento das águas que não paravam de inundar tudo em redor e  proceder aos necessários trabalhos para detecção do local exacto da ruptura e substituição de parte da conduta  a que me refiro. Grande parte da população numa extensão bem razoável ficou sem água.
E aqui começo a reflectir. Banho pela manhã nem pensar, pois as torneiras estavam sem pingo de água e assim se justificava. Haveria depois toda uma série de hábitos rotineiros que se bem pensados teriam que ser alterados. Assim foi e ainda durante algumas horas aconteceu.
Então pensei em primeiro lugar na aceitação de um acontecimento que infelizmente sucede em tantos lugares do  mundo.
Mas pensando melhor. Em todos não, pois uma grande parte da população mundial não tem água potável. Depois a paciência que tantas vezes me falta perante factos insignificantes. Havia que saber esperar.
Cheguei à conclusão que desperdiço um pouco mais de água do que deveria e  este acontecimento foi mais um alerta. Necessito poupar água.
Depois por entre as minhas tarefas domésticas fui observando o seguimento dos trabalhos que se passavam logo ali sob a minha varanda e pude constatar que ainda nem todas as máquinas substituem o trabalho dos homens. A mão-de-obra é essencial a tanto do que necessitamos no nosso dia-a-dia e há que valorizá-la.
Tem sido um trabalho árduo que continua a decorrer com escavadora, pás, enxadas e toda uma parafernália de instrumentos para colocação e acabamento do trabalho. Mais tarde seguir-se-á reconstrução do passeio, talvez o pequeno jardim necessite de um arranjinho, mas neste momento tudo isso é superficial. O importante é que a preciosa água mais daqui a pouco já corra nas nossas torneiras e de quantos foram afectados. 
Passo a documentar com o meu registo fotográfico:
 Quando saí pela manhã  o local assemelhava-se a uma "piscina natural" de águas transparentes, mas antes e em redor grande lamaçal escorria pela avenida abaixo. Foi difícil conter o potencial da água que através de um motor e uma mangueira a fazia escorrer.
Muito trabalho a desenvolver!








  Conduta substituída

 Uma espécie de areia para cobrir
 Trabalho terminado - 1ª fase

Entretanto já foi restabelecido o abastecimento da água  no horário previsto (cerca das 16 horas) e só posso expressar os meus parabéns às várias equipas dos SMAS (Águas de Sintra) pela forma rápida e eficiente como desenvolveram os trabalhos.
Actualização
Afinal passadas três horas a água continua a saltar ...Vamos aguardar. O pronto socorro está voltando de novo.
Em tempo:
Uma outra ruptura, um pouco mais acima, está a ser reparada. No entanto a água não voltou a ser cortada.
Os trabalhos continuaram pela madrugada e foram concluídos com êxito.
:))!
Desejo-vos continuação de boa semana.
Abraços. Ailime

12 comentários:

  1. Muito bom que fizeram o trabalho rápido.
    beijinhos

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  2. Ailime, tocaste num ponto interessante e do qual, nós principalmente aqui da Região Sudeste, a mais populosa, estamos aflitos e preciamos mudar nossos hábitos radicalmente. A água é um bem finito, dizem até que a próxima guerra será por causa que água do planeta está acabando e por aqui as mudanças climáticas tem se sentido, pois rios secam, represas estão em colapsos, enfim é triste. Agora de ontem pra cá chove bastante e tomara que as represas de abastecimento se recuprem um pouco! Aqui na minha casa, fazemos de tudo para economizar. Eu fico aflita quando vejo um vazamento de grande porte como foi o seu e ainda bem que foram precisos no reparo e só quando não temos é que refletimos que ela é o bem mais precioso para a nossa vida! Beijos!

    ResponderEliminar
  3. Que bom Ailime! Ainda bem que tudo ficou rapidamente resolvido, dando tudo certo!
    Beijos, boa semana muito abençoada!
    Mariangela

    ResponderEliminar
  4. Esses transtornos são sempre inconvenientes, mas graças a Deus tudo já foi bem resolvido.
    Gostei de saber, Ailime!
    Um abraço grande...

    ResponderEliminar
  5. Ailime, ficar sem água é realmente um transtorno e tu, estavas bem calminha, pois conseguiste fazer uma bela reflexão e tirar várias lições e conclusões! Estás bem certa mesmo! Bela reportagem fizeste e que a água não falte! bj, chica

    ResponderEliminar
  6. Ailime, que grande aborrecimento! E muito pior foi a crise de coluna no Algarve. Espero que já se encontre completamente restabelecida.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Do extenuante trabalho que por vezes não valorizamos por ser COMUM, à ÁGUA que não valorizamos por ainda haver tanta( Minho!), a ACEITAÇÃO em que ninguém pensa. Não quer e pronto...Até à GRATIDÃO que poucos sentem por se pensar que é obrigação...por tudo isto e muito mais, obrigada pelo seu gesto e atitude de tanta elevação!
    Saúde e beijinho de paz, Ailime

    ResponderEliminar
  8. Ailime...um tema que importa refletir: Poupar água!!!
    A água faz muita falta...e incómodos aumentam a nossa angústia!
    Bj amigo

    ResponderEliminar
  9. Ailime...um tema que importa refletir: Poupar água!!!
    A água faz muita falta...e incómodos aumentam a nossa angústia!
    Bj amigo

    ResponderEliminar
  10. Interessante o registo deste trabalho, que nos leva a reflectir.
    Bjs e cont. de boa semana,

    ResponderEliminar
  11. Na crise que se vive deste liquido precioso, sempre que vemos um vazamento devemos nos preocupar. Precisa que as empresas responsáveis estejam neste objetivo de reparar o mais rápido possível, evitando desperdício e desconforto.
    Belos registros e boa reflexão Ailime sobre o uso correto e consciente da água.
    Valeu.

    ResponderEliminar
  12. Um grande transtorno... a falta de água... também quase semanalmente me afecta, no local onde moro... pertencendo ao concelho de Odivelas... onde problemas na rede de distribuição... é o pão nosso de cada dia...
    Por acaso, aqui na Ericeira, não tenho nenhuma razão de queixa... apesar de só parar por aqui, mais no Verão...
    Excelente post, Ailime!
    Beijos
    Ana

    ResponderEliminar

Aqui mostro um pouco mais dos ecos e reflexos que me saem da alma.
O que me rodeia, o que me sensibiliza, algumas coisas que gosto de fazer no meu dia a dia! Aqui sinto-me em casa. Espero por todos vós! Ailime