sexta-feira, 11 de março de 2016

Ribatejo - Plantações de couve nabiça

Ontem durante uma curta viagem atravessei o Ribatejo e ao observar  as lezírias banhadas pelo Rio Tejo comecei a avistar ao longe grandes manchas amarelas que  cobriam campos e campos em plantações ordenadas  parecendo telas gigantes.
Fiquei  deslumbrada e ao mesmo tempo curiosa em saber que espécie de plantas  seriam uma vez que não estamos ainda no tempo dos girassóis e  as margaridas  amarelas  (pampilhos) são flores rasteiras que se reconhecem com facilidade.


Logo que pude aproximei-me e surpreendentemente  verifiquei que eram couves nabiça de cujas sementes se extrai o azeite de colza utilizado na produção de biodiesel. Isto para mim foi novidade uma vez que só conhecia os grelos ou espigos utilizados na alimentação e segundo li na Net estas plantações já existem há alguns anos  em países como Holanda, Alemanha e Dinamarca  (União Europeia), Canadá, Estados Unidos, Austrália, China e Índia.

Partilho algumas fotos captadas junto  de uma das plantações cujo efeito visual achei lindo!





 (Foi através da folhagem que reconheci a couve nabiça).
Segundo li as folhas da planta  também servem  para a forragem do gado.
(Tudo novidade para mim;))!

Ainda li que no Brasil e Canadá o azeite de colza é conhecido  por canola  e que poderá conter uma ligeira toxidade. Em Portugal consumimos bastantes grelos de couve, de nabo e também de couve nabiça que me parece ser um híbrido.  Gostaria de saber a vossa opinião sobre esta matéria e se conhecem esta planta e suas utilizações, principalmente no que respeita ao biodíesel. Gosto imenso de grelos e fiquei um pouco apreensiva com todas estas informações.


Para terminar deixo-vos um pouco do meu rio (Tejo).

Tenham um excelente fim de semana.
Abraços.




15 comentários:

  1. Estava olhando e não lembrava o nome aqui. Depois ao final, falaste. Aqui é CANOLA! E as flores e plantação dela são lindas! Adorei! bjs, chica

    ResponderEliminar
  2. Ailime, não conhecia a plantação de Canola... Muita linda e suas fotos ficaram excelentes!! Gostei de saber das informações que nos trouxe...
    Também de rever o Tejo...
    Uma boa noite. Beijos

    ResponderEliminar
  3. Também não sabias que eram cultivadas para biodiesel, e nem que era daqui extraído o óleo de colza... vivendo e aprendendo. Quando comecei a ler o post pensei que seria mostarda.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Rectifico: não sabia (em vez de *não sabias)

    ResponderEliminar
  5. Oi Ailime!
    A plantação de canola é linda! É um óleo rico em omega 3 e 6, e vitamina E, mas se aquecido mais que 180 graus perde as propriedades, torna tóxico, e não deve ser reaproveitado.
    Mas na verdade Ailime, falam agora que todos os óleos não devem ser aquecidos...Que a banha de porco ou manteiga fazem menos mal.Em quem devemos acreditar? rss
    Linda postagem.
    Beijos, boa noite amiga.
    Mariangela

    ResponderEliminar
  6. Oi Ailime, nunca tinha visto esta plantação. No Brasil utiliza este oleo comestivel e faz parte dos raros e caros. Ainda não li sobre eles, mas já ouvi critica que é um oleo nao existente.Estranho não?
    Belas imagens amiga.
    Abraços
    Vou pesquisar mais sobre ele e da planta.

    ResponderEliminar
  7. Não conhecia a planta!
    Há muitos anos atrás eram os girassóis que povoavam esses campos!
    A flor é parecida com a da nossa couve quando está a espigar!
    Bom domingo

    ResponderEliminar
  8. Não conhecia a planta!
    Há muitos anos atrás eram os girassóis que povoavam esses campos!
    A flor é parecida com a da nossa couve quando está a espigar!
    Bom domingo

    ResponderEliminar
  9. Não conhecia grata pela partilha, São tantas as informações sobre alimentação atual que ficamos um pouco confusas sobre o que faz bem ou mal. Quando criança fui alimentada com a banha de porco, hoje temos tantas opções, mas sem termos certeza de nada. bjs

    ResponderEliminar
  10. Amiga desconhecia completamente esta informação e acredite que vou tentar averiguar o que se passa.
    Mas que a paisagem é bela, lá isso é verdade.

    Um beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
  11. As imagens estão absolutamente incríveis... e essa informação... também para mim, é total novidade!...
    Nem sabia que por cá se praticaria esta cultura intensiva, para tais fins... aliás... eu até me surpreendo... é como é que cá, assim se produz alguma coisa...
    Adorei o post! Beijinhos!
    Ana

    ResponderEliminar
  12. Boa noite, querida amiga Ailime!
    Que colorido mais lindo! Tênue mas energizante na medida certa!
    Estive metida entre dois grandes rios: o Iguaçu e o Paraná... me lembrei deles ao ler seu post... do seu Tejo...
    Bjm muito fraterno

    ResponderEliminar
  13. Olá. Também eu encontrei ntrei esses campos no Ribatejo e fiquei surpreendida. Depois liguei a imagens que tinha visto antes, quando pesquisadas um dos ingredientes do molho de alho da calvé, precisamente o óleo de Colza. É um cereal moderno, pois nem o meu velho pai, que sempre foi agricultor, conhecia. Obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  14. Olá. Também eu encontrei ntrei esses campos no Ribatejo e fiquei surpreendida. Depois liguei a imagens que tinha visto antes, quando pesquisadas um dos ingredientes do molho de alho da calvé, precisamente o óleo de Colza. É um cereal moderno, pois nem o meu velho pai, que sempre foi agricultor, conhecia. Obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar

Aqui mostro um pouco mais dos ecos e reflexos que me saem da alma.
O que me rodeia, o que me sensibiliza, algumas coisas que gosto de fazer no meu dia a dia! Aqui sinto-me em casa. Espero por todos vós! Ailime